Vamos falar sobre alzheimer – Parte 2

Compartilhe este artigo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Poucas coisas causam tanta dor a uma família do que ver pais e mães perderem sua capacidade de acessar suas boas lembranças da Vida. Na medida em que a tecnologia avança, vão surgindo esperanças. Enquanto uma solução definitiva não se apresenta, trazemos, no Blog Viver Melhor, ações que podem ser tomadas para ajudar a mitigar o desafio. Por se tratar de um assunto que requer uma abordagem responsável e profunda, dividiremos este artigo em 2 partes: I – Lidando com o Estágio inicial e II – Ajudando a pessoa com Alzheimer a viver bem.

Nesta segunda parte, daremos destaque a como o parceiro de cuidado pode ajudar a pessoa com Alzheimer a estender ao máximo sua independência, ao mesmo tempo em que mantém o cuidado de sua própria saúde física e mental.

Entendendo as suas emoções

Fornecer apoio a uma pessoa que vive com Alzheimer ou uma demência relacionada é um processo contínuo e às vezes emocional. Como parceiro de cuidados, você pode estar se sentindo sobrecarregado por emoções, que vão do medo à esperança. As emoções podem ser desencadeadas por pensamentos sobre como esse diagnóstico afetará sua vida, mas também a antecipação de desafios futuros. Aprender a reconhecer suas emoções pode ajudá-lo a seguir em frente e ajudar a pessoa com Alzheimer a viver a melhor vida possível.

 Emoções que você pode experimentar como um parceiro de cuidados

Negação. O diagnóstico pode parecer inacreditável ou difícil de aceitar. A negação a curto prazo pode ser um mecanismo de enfrentamento saudável que dá tempo para se ajustar, mas ficar em negação por muito tempo pode impedir que você e a pessoa com a doença tomem decisões importantes sobre o futuro. Também pode atrasar sua capacidade de viver uma vida de qualidade. Se você está sob negação ao diagnóstico, sua capacidade de ajudar a pessoa com Alzheimer será prejudicada até que você mesmo possa chegar a um acordo sobre o diagnóstico.

Medo. Os temores sobre a progressão da doença e os desafios na prestação de cuidados futuros podem ser esmagadores e podem impedir que você se concentre no presente.

Estresse/Ansiedade. A incerteza sobre o que esperar, à medida em que a doença progride e como apoiar a pessoa com o diagnóstico pode levar ao aumento do estresse.

Raiva/Frustração. A raiva, em relação ao diagnóstico, é uma resposta comum ao sentimento de perda de controle sobre o futuro. Você pode estar sentindo ressentimento sobre como seu papel, como parceiro de cuidados, afetará sua vida.

Luto/Depressão. Tristeza ou sensação de perda sobre seu relacionamento também pode levar a sentimentos de desesperança. Procure saber mais sobre os sintomas da depressão.

Ajudando a pessoa com Alzheimer a viver bem

Pessoas com Alzheimer querem viver bem o maior tempo possível. A capacidade de permanecer saudável, ativo, engajado e independente são desejos consistentes identificados por indivíduos recém-diagnosticados. Os parceiros de cuidado desempenham um papel importante em ajudar a pessoa com demência a alcançar esses objetivos.

Considere as dicas abaixo para ajudar a pessoa em estágio inicial a se manter saudável pelo maior tempo possível:

Incentive atividades físicas. Com base nos resultados de alguns estudos, o exercício ou a atividade física regular podem desempenhar um papel na convivência melhor com a doença. Se for possível, participe também do momento de atividade. Além de reforçar a conexão emocional com a pessoa assistida, você estará igualmente cuidando de si. Por isso, é importante escolher atividades que ambos gostem.

Prepare refeições que mantenham uma dieta equilibrada e sejam baixas em gordura e ricas em vegetais.

Crie uma rotina diária que promova o sono de qualidade e o engajamento com os outros.

Identifique situações que podem ser muito estressantes para a pessoa com demência.

Trabalhem juntos para encontrar o que ajuda a pessoa a relaxar.

Cuidando de si mesmo

Estar envolvido em atividades que melhorem sua sensação de bem-estar pode ajudar a reduzir seu nível de estresse. Passe tempo com amigos e familiares, coma bem, faça atividade física e consulte o médico regularmente. 

Aqui estão dicas de como manter sua própria saúde:

Pense em maneiras de obter apoio agora. Por exemplo, inclua uma tarde para si mesmo em sua agenda mensal. Peça aos outros para visitar ou almoçar com a pessoa que vive com demência enquanto você está fora.

Construa uma rede de suporte. Criar um sistema de suporte antes de pensar que precisa, minimizará seu estresse à medida que a doença progride. Olhe para os sistemas de suporte atuais que você já tem em vigor e considere as pessoas que você recorre com mais frequência em momentos de necessidade.

Conecte-se com outras pessoas que prestem este tipo de cuidado para adquirir incentivo e conforto de outros que entendem o que você está passando. Saiba mais sobre grupos de apoio presenciais e online.

Peça e aceite ajuda. Os parceiros de cuidados muitas vezes esperam muito tempo antes de pedir ajuda dos outros.

Descanse quando necessário e dê tempo para você e seus próprios interesses.

Tente não levar as coisas para o lado pessoal; sintomas da doença podem fazer com que um indivíduo esqueça eventos ou compromissos. Lembre-se que isso não é um reflexo de seu caráter.

Mantenha-se engajado, continuando a se envolver em atividades que são importantes para você e melhoram sua sensação de bem-estar.

Permita-se a oportunidade de rir quando surgirem situações engraçadas.

Obtendo capacitação com informações e recursos

Quanto mais você se educa sobre a doença, mais confiante e preparado você pode se sentir sobre o futuro e sua capacidade de resolver problemas à medida que a doença progride. Saber o que esperar e colocar planos em prática pode ser “empoderador” para você e para a pessoa com Alzheimer.

Aceitando o diagnóstico.

Como parceiro de cuidados, você pode aceitar o diagnóstico antes do indivíduo que vive com a doença. Enquanto o indivíduo que vive com Alzheimer é a única pessoa que pode mudar o que sente sobre o diagnóstico, você pode compartilhar informações e fornecer apoio para ajudar no processo de aceitação.

Entendendo o Alzheimer.

Os sintomas do Alzheimer geralmente se desenvolvem lentamente e se agravam com o tempo, tornando-se severos o suficiente para interferir nas tarefas diárias. Embora a progressão da doença de Alzheimer possa diferir de pessoa para pessoa, é normal que uma pessoa recém-diagnosticada queira comparar seus sintomas com outros.

Informações sobre tratamentos e testes.

Tratamentos estão disponíveis para ajudar com os sintomas da doença. Combinar tratamento para sintomas com serviços de apoio pode ajudar a pessoa a viver uma vida de qualidade pelo maior tempo possível. Embora esses tratamentos abordem os sintomas da doença, atualmente, não há como prevenir, curar ou impedir a progressão.

Planejando para o futuro.

As pessoas em estágio inicial da doença querem ter poder sobre as decisões que afetarão sua vida, incluindo o planejamento legal, financeiro e de longo prazo. Embora essas conversas possam ser difíceis, incluir a pessoa em estágio inicial da doença nesse processo, pode ser “empoderador” para todos os envolvidos. Tal qual seu parceiro de cuidado, conhecer os desejos do indivíduo pode ajudá-lo a se sentir confiante sobre as futuras decisões que você precisará tomar em seu nome. Quanto mais cedo os planos para o futuro forem estabelecidos, melhor você e a pessoa com demência estarão.

Vivendo sozinho.

Com apoio e recursos, muitas pessoas na fase inicial do Alzheimer vivem de forma independente. Se você é um membro da família ou parceiro de cuidados para alguém que vive por conta própria, mantenha-se envolvido. Ligue ou visite com frequência, e certifique-se de que a pessoa receba a assistência necessária, como ajuda com limpeza, refeições, transporte, pagamento de contas e outras tarefas diárias. Coloque as medidas de segurança domiciliar em vigor e esteja ciente de quaisquer mudanças que indiquem a necessidade de supervisão ou cuidado adicionais.


Obs: Este artigo é meramente informativo. Não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Compartilhe este artigo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Veja mais artigos

Dicas de Saúde

Diversões que auxiliam a lidar com demência

É importante que os pacientes, acometidos com demência, mantenham uma mente ativa e continuem a ter uma sensação de diversão. Manter a pessoa idosa focada

Fale conosco!

Tire todas as suas dúvidas com a nossa equipe

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on pinterest
Share on tumblr
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on skype